Sermão da primeira dominga da Quaresma

P. António Vieira, no ano de 1653, pregou no Maranhão os sermões da Quaresma. O do primeiro domingo começa assim:
O Domingo das tentações e das vitórias. As ofertas, conselhos e petições que faz o demónio a Cristo para tentá-lo. Assunto do sermão: a última tentação do demónio a Cristo.
Oh! que temeroso dia! Oh! que venturoso dia! Estamos no dia das tentações do demónio, e no dia das vitórias de Cristo. Dia em que o demónio se atreve a tentar em campo aberto ao mesmo Filho de Deus: Si Filius Dei es (Se és Filho de Deus) - oh! que temeroso dia! Se até o mesmo Deus é tentado, que homem haverá que não tema ser vencido? Dia em que Cristo com três palavras venceu e derrubou três vezes ao demónio - oh! que venturoso dia! A um inimigo três vezes vencido, quem não terá esperanças de o vencer? Três foram as tentações com que o demónio hoje acometeu a Cristo: na primeira ofereceu, na segunda aconselhou, na terceira pediu. Na primeira ofereceu: Dic ut lapides isti panes fiant - que fizesse das pedras pão; na segunda aconselhou: Mitte te deorsum - que se deitasse daquela torre abaixo; na terceira pediu: Si cadens adoraveris me - que caído o adorasse. Vede que ofertas, vede que conselhos, vede que petições! Oferece pedras, aconselha precipícios, pede caídas. E com isto ser assim, estas são as ofertas que nós aceitamos, estes os conselhos que seguimos, estas as petições que concedemos. De todas estas tentações do demónio, escolhi só uma para tratar, porque para vencer três tentações é pouco tempo uma hora. E quantas vezes para ser vencido delas basta um instante! A que escolhi das três, não foi a primeira nem a segunda, senão a terceira e última, porque ela é a maior, porque ela é a mais universal, ela é a mais poderosa, e ela é a mais própria desta terra em que estamos. Não debalde a reservou o demónio para o último encontro, como a lança de que mais se fiava; mas hoje lha havemos de quebrar nos olhos. De maneira, cristãos, que temos hoje a maior tentação: queira Deus que tenhamos também a maior vitória. Bem sabeis que vitórias, e contra tentações, só as dá a graça divina; peçamo-la ao Espírito Santo por intercessão da Senhora, e peço-vos que a peçais com grande afecto, porque nos há-de ser hoje mais necessária que nunca. Ave Maria.

Mensagens populares deste blogue

Fátima descaracterizada

A vida de São Macário

Oração para o início de um retiro