Peregrinação dos Centros Maristas de Portugal a Fátima

Há seis anos que participo nesta Peregrinação dos Centros Maristas de Portugal a Fátima. Na primeira vez fui como simples frade fazer a homilia da Missa. Há quatro anos presidi, pela primeira vez, e de lá para cá, só no ano passado é que não fui.
Ontem fui para Fátima, acompanhar o 6º ano do Externato Marista de Lisboa. À semelhança de há dois anos atrás, fizemos uma caminhada a pé, desde o santuário da Ortiga até ao Santuário de Fátima (cerca de 5 km). Durante o percurso, escoltados pela GNR, cantámos, rezámos, falámos, mas sobretudo caminhámos. Assim deveria ser a nossa vida: caminhar para um sitio certo e seguro, cantando, rezando e fazendo o bem. Quando chegámos à Capelinha fizemos a nossa celebração mariana. Sempre emotiva porque é o parar e rezar por aqueles que mais precisam e maia amamos.
Esta manhã lá estivemos, no Centro Pastoral Paulo VI, para mais um encontro marista. A celebração foi muito bonita e muito celebrativa: o coro, os acólitos, a organização...

Aqui deixo a homilia que fiz este ano na celebração da Eucaristia:
"Estamos a terminar o tempo da Páscoa. E as leituras que escutámos são, também, o final de dois livros: Actos dos Apóstolos e Evangelho de São João.
Gostava, hoje, de vos falar dos três grandes personagens que nos apareceram nestas leituras: Paulo, Pedro e João.
Grande parte do Livro dos Actos dos Apóstolos, escrito por São Lucas, fala da vida de Paulo. Hoje escutámos como foram os últimos anos da vida de Paulo: preso em Roma. Preso não por ter roubado ou ter matado ou ainda por ser um malfeitor, mas por causa de Jesus Cristo e do seu Evangelho.
O que nos diz esta leitura? Que Paulo, mesmo preso, continua a anunciar o Evangelho. Jesus tinha pedido aos Apóstolo que fossem, mundo fora, anunciar o Evangelho. Hoje vemos Paulo, em Roma, a capital do Império Romano, a capital de todo o mundo, a receber o Evangelho de Jesus.
Paulo, mesmo condicionado, anuncia a nossa esperança: Jesus Cristo.
Fá-lo de duas maneiras: pela sua pregação e escrevendo cartas às comunidades, cartas que temos na nossa Bíblia.
Os Actos mostram que a vida de Paulo foi uma vida cheia de trabalho e de amor não por uma causa mas por uma pessoa: Jesus Cristo.
Assim deve ser a nossa vida: cheia de amor por Jesus. Porque só uma vida cheia de amor por Jesus Cristo pode levar ao testemunho e ao anúncio do Evangelho. Só assim a nossa vida pode ser um Evangelho. Mais, a nossa vida deve ser um Evangelho vivo, ou seja, através da nossa fé, através das nossas acções, se quisermos, através do nosso coração e das nossas mãos, sermos seguidores de Jesus e seus discípulos como foram os primeiros Apóstolos, como foi Paulo.
O Evangelho falou-nos de Pedro e João. Dois Apóstolos muito importantes do grupo dos Doze: Pedro, aquele que Jesus escolheu para ser o fundamento e o sinal de unidade da Igreja; João, o discípulo amado, aquele que na Última Ceia esteve ao lado de Jesus.
Os dois tiveram um papel importante entre os primeiros cristãos: Pedro teve a missão de orientar a Igreja nos seus primeiros passos e João teve a missão de nos descrever, com profundidade, os milagres, os discursos, a história de Jesus no seu Evangelho.
E do Evangelho podemos concluir que, à semelhança de Pedro e João, cada um de nós tem uma missão neste mundo a partilhar. A começar pelos nossos grupos, na nossa turma, na nossa família, na comunidade cristã onde celebramos a nossa fé.
E que missão? Sermos boas pessoas, amando todos e querendo o bem de todos. Se o fazemos somos o tal Evangelho vivo: evangelizamos e somos evangelizados.
No final do Evangelho que escutámos, São João dizia que se puséssemos por escrito todas as coisas que Jesus fez não caberiam neste mundo. São João tinha razão. Cada um de nós é, de facto, um livro da vida de Jesus, Se quiséssemos, e não sendo muito atrevidos, nós somos o quinto Evangelho, aquele que não vem na Bíblia e é escrito a duas mãos: a mão de Deus e a nossa.
Cada um de nós é um livro da história de Jesus na nossa vida, como o foram Pedro, Paulo, João, Maria, Marcelino Champagnat..., e teríamos uma lista infindável desta biblioteca dos livros de Deus.
Amanhã a Igreja celebra o dia de Pentecostes. O dia em que o Espírito Santo desceu sobre os Apóstolos.
Nós podemos pedir a Jesus, por intercessão de Maria, para sermos corajosos na nossa vida. Para que a nossa vida, este quinto Evangelho, seja escrito com a mensagem de Jesus: os nossos gestos de amor e de perdão, com as nossas atitudes de justiça, compreensão e de amor fraterno.
E que os exemplos dos grandes amigos de Deus, os santos, sejam para nós exemplos, que nos dêem coragem para levarmos hoje, ao nosso mundo Jesus Cristo e o seu Evangelho. Que assim seja."


Mensagens populares deste blogue

Fátima descaracterizada

Oração para o início de um retiro

A fecundidade do casal