Poemas do Índico







Num dos domingos passados ofereceram-me um livro de poemas. O autor é moçambicano, Jall Sinth Hussein, filho de indianos. O título é o mesmo do deste post "Poemas do Índico". Gosto de poesia e gosto de ler poesia com calma, como foi o final do dia de ontem, entre o fim de uma pequena conversa e o jantar. Sentado, sem música, só mesmo a leitura, fui lendo os pequenos poemas - grande parte são tercetos - de Jall Sinth Hussein. E como defendo que não se devem criticar os artistas, mas que se deve respeitar o seu trabalho quer gostemos quer não (e aqui não se trata tanto de gosto mas de compreensão), aqui deixo um terceto que me poderia servir de epitáfio: "Quando aqui morrer / não deitem rosas nem lágrimas / eu vou no incenso."
(fotografia de Bruno Ázera)

Mensagens populares deste blogue

Fátima descaracterizada

Oração para o início de um retiro

A vida de São Macário