Um Cristo de um tronco




Coloquei à entrada do meu quarto, este tronco, tosco, que, ao perguntar em Feirão o que fazia lembrar, a maioria dos olhos só viam uma fisga. Tinha ido, de manhã, apanhar lenha para queimar nos assados e, enquanto estraçava a lenha (pela serra de Montemuro usa-se esta palavra para significar partir, rachar), ao pegar neste tronco, tirei só os ramos, em movimentos rápidos e automáticos, e quando o ia atirar para a caixa da lenha olhei melhor e vi, naquele tronco o corpo de Cristo. Aos poucos consegui convencer a família de que poderia ser o corpo de Cristo. O meu tio deu um tratamento à madeira para se não estragar e colocou atrás uma pequena argola para pendurar. Queriam que o deixasse em Feirão mas não, veio comigo. Partilho-o hoje convosco. 

Mensagens populares deste blogue

Fátima descaracterizada

A fecundidade do casal

Oração para o início de um retiro