Prantos de Nossa Senhora

Fili mi, Jesu, Jesu,
O mi Jesu, fili mi.
Quem me matasse por ti,
Porque não morresses tu.

Oh vos omnes qui transitis
Pola via da amargura,
Chorai a desaventura
Desta triste Sunamitis,
Senti sua grã tristura,
Oh, gentes, chorai meu mal,
Vede bem sua grandeza,
O cutelo de crueza
Que corta com dor mortal
Minha alma com tal tristeza.

Oh judaica crueldade,
Onde me levas meu bem.
Oh cruel Hierusalém
Matador sem piedade
Dos Profetas que a ti vêm.
Que te fez o meu cordeiro
Filho do meu coração,
Porque tanto sem rezão
Condenaste ao madeiro
Toda sua salvação.
 
(Poema de frei António de Portalegre, séc. XVI. Imagem: Fra Angelico, Jesus a caminho do Calvário com Nossa Senhora e São Domingos)

Mensagens populares deste blogue

A vida de São Macário

São Bruno

Oração para o início de um retiro