Terra Santa?

De repente, nestas férias todos resolveram ir à Terra Santa. Terra Santa que é como quem diz. Olhamos para Israel, para a Palestina, e onde está a Terra Santa? O muro da vergonha (o da Cisjordânia) é sinal de quê? Mas, adiante.
Foram amigos meus, foi um confrade e, nos últimos dias, o tema batido e rebatido, contado e recontado, é o da Terra Santa.
E perguntam-me se não gostaria de lá ir. Respondo que não. Não, a mim não me verão por lá proximamente. A eles não lhes importará muito; mais turista menos turista, a única coisa que perdem será alguns novos Shekels ou dólares, que devem preferir.
Por vários motivos. Primeiro porque tenho um princípio claro na minha vida: o estado social de alguns países e até de algumas regiões, impede-me de lá ir. Não consigo compreender na Terra Santa (a partir de agora TS, para abreviar), armas apontadas para crianças, impedimento de circulação para os que são de lá mas aos turistas já não, mesmo que façam alguma pressão.
Depois, porque não compreendo como é que cristãos vão ver as igrejas e as vias dolorosas, e não têm qualquer contacto com as comunidades cristãs de lá. Deveriam os turistas ouvir os sofrimentos dos cristãos em Israel e na Palestina, de como os judeus não deixam os palestinos cristãos ir passar o Natal com os seus familiares, porque não os deixam passar o muro... (esta ideia não é genuína minha, saiu de uma conversa no recreio da comunidade).
Em terceiro lugar, e vou por ordem de importância, ainda não percebi o que é que se lá vai fazer. Abro exceção à beleza dos monumentos, arte é arte. Mas a expressão mais repetida deve ser a do "foi aqui que". Também com as suas variantes: para os mais devotos "foi mesmo aqui" e para os mais razoáveis (razoável de razão) "diz a tradição que foi aqui". E beija-se o lugar, derramam-se algumas lágrimas da emoção, tiram-se fotografias ou compram-se postais e armazena-se na memória. Partilho também a ideia de um confrade que diz meio a brincar meio a sério: colocava lá uma placa com a passagem do Evangelho "Não está aqui".
Finalmente, o crivo que se faz para não se ver coisas que se deveriam ver. Pelo que me dizem, dos que lá estão e lá foram, muitas vezes eles desviam certos lugares (o túmulo de Lázaro em Betânia), porque "não há lá nada que ver".
E pronto. Isto é o que penso. Admito que seja uma visão curta, que sou um tonto em não querer ir, etc., etc., mas é o que penso e até mudar de ideias continuam estas.

(Esta imagem tirei-a da net. A legenda diz o seguinte: polícia israelense armado "cuida" de três meninos palestinos, detidos por atirar pedras contra as tropas do país em protesto, na cidade de Hebron, na Cisjordânia).

Mensagens populares deste blogue

A vida de São Macário

São Bruno

Oração para o início de um retiro