Faz hoje cinco anos


Faz hoje cinco anos que morreu o meu pai.
No mesmo ano e com poucas semanas de distância, dois aconteci-mentos na minha vida, um de muita alegria e outro de muita tristeza.
O alegre foi a minha ordenação, o triste foi a partida repentina do meu pai. Perder um dos pais, seja de que modo for, é sempre um momento de orfandade. Aquele que nos gerou, que nos criou, que nos ensinou, que nos amou, deixa-nos e sentimo-nos mais frágeis.

Venho de fazer um funeral. Também uma senhora nova, vítima de cancro. Na missa falei do duelo entre os afectos e a fé. Os afectos fazem-nos chorar, perguntar porquê... a fé devolve-nos a confiança e a esperança. Por muito que se diga, embora sejamos seres-para-a-morte, como dizia Heidegger, tentamos evitar aquilo que é mais certo em nós depois de nascer. E continuamos a fugir, a querer reverter o caminho que nos leva à vida eterna.

Discordo de Heidegger. Não sou um ser-para-a-morte. Sou um ser-para-a-vida. Essa vida tão desejada que está para além da morte.

Mensagens populares deste blogue

Fátima descaracterizada

A vida de São Macário

Oração para o início de um retiro