Memórias de um povo

Este é o livro da grande Isabel Silvestre. Na Pública desta semana vem uma pequena entrevista sobre as motivações na recolha que fez de cantigas, histórias e costumes da gente de Manhouce. Admiro-a pela sua grande pela sua voz, pelo que faz pela cultura portuguesa e pela força que a move. Não tem vergonha de se afirmar como mulher da serra, não tem vergonha do trajar nem do sotaque da beira. A entrevista que deu tem o título "Muitas vezes as pessoas cantavam para não chorar". Isto aprendi há muitos anos com a minha avó e com a minha mãe que, quando lhes perguntava porque é que cantavam, nuynca me diziam: "porque estou contente" mas quase sempre: "para não chorar". Nas serras, até há trinta anos atrás, quando se ia com o gado para o monte o que se fazia? Cantava-se para afastar a solidão e o silêncio. No tempo das cegadas (ceifa do trigo) em que se trabalhava de sol a sol, o que é que se fazia para espantar o cansaço e muitas vezes a fome? Cantava-se. E à noite, depois de jantar, ou só com um caldo de unto no estômago, o que se fazia? Ia-se para a eira, cantava-se e dançava-se. Não era para esconder as tristezas da vida mas para as aliviar.
Há uma canção de Isabel Silvestre que faz parte da minha infância e da do meu irmão. E qual não foi o meu espanto quando, há tempos, a minha sobrinha cantava a bendita canção. Fiquei espantado porque ela a sabia e ela também, porque eu a sabia! Vinha da mesma origem: a minha mãe. Deus queira que a minha sobrinha não se esqueça da canção e que, se casar e tiver filhos, a ensine. Hoje, lembrando o tempo em que a minha mãe nos cantava esta canção, aqui a deixo, com a pronúncia única e excelente de Isabel Silvestre. Em relação ao cantar digo de maneira diferente de Isabel Silvestre: cantar é sempre sinal de alegria. Mesmo quando apetece chorar.

Mensagens populares deste blogue

Fátima descaracterizada

A fecundidade do casal

Oração para o início de um retiro